Compartilhar no WhatsApp

Após recomendar a suspensão da temporada de cruzeiros no país, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que quase 800 casos de Covid-19 foram confirmados a bordo das embarcações atracadas na costa do Brasil em um intervalo de apenas nove dias.

Passageiros desembarcam de navio no Rio de Janeiro
WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO 02.01.2022

Segundo a agência, desde que a temporada de 2021-2022 dos cruzeiros teve início, em novembro do ano passado, 829 pessoas, entre tripulantes e passageiros dos navios, foram diagnosticadas com o novo coronavírus. Desse total, só 31 casos foram confirmados entre 1º de novembro e 25 de dezembro. Os 798 restantes foram registrados de 26 de dezembro até esta segunda-feira (3).

Continua depois da publicidade

De acordo com a Anvisa, 502 casos de Covid-19 foram diagnosticados entre tripulantes, o que representa 60% dos casos positivos a bordo das embarcações.

“Tal mudança repentina e brusca do contexto epidemiológico, provavelmente decorrente do surgimento da variante Ômicron, requer nova avaliação do cenário da pandemia de Covid-19. Os dados referentes ao cenário epidemiológico a bordo das embarcações de navios de cruzeiro reforçam a nota técnica da Anvisa, expedida na última sexta-feira (31/12), que recomendou ao Ministério da Saúde a suspensão provisória imediata da temporada de navios de cruzeiro no Brasil”, frisou a Anvisa.

Reunião com estados, municípios e empresas

Nesta segunda, integrantes da Anvisa, do Ministério da Saúde, da Casa Civil e outros órgãos do governo federal se reuniram com representantes dos estados e cidades em que os navios estão atracados, além de empresas do setor, para debater a situação das embarações.

De acordo com a Anvisa, “os estados e municípios foram unânimes em reiterar a posição da Anvisa pela suspensão provisória da temporada de navios de cruzeiro no Brasil, até que se obtenham novos dados para melhor avaliação de eventual cenário de retomada”.

A agência ainda detalhou que estados e municípios tiveram dificuldade na obtenção dos dados epidemiológicos junto às empresas responsáveis pelas embarcações, “o que prejudicou a condução oportuna das investigações pelas autoridades locais de saúde”.

“Outro ponto de destaque foi a dificuldade de identificação de contatos próximos de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19, por se tratar de ambiente confinado, o que pode contribuir para disseminação mais rápida da doença caso medidas adicionais de controle não sejam adotadas”, acrescentou a Anvisa.

A reunião culminou na suspensão, até o dia 21 de janeiro, das atividades de cruzeiros. Antes desse encontro, contudo, a Clia Brasil (Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros) já tinha anunciado a paralisação temporária da temporada de cruzeiros.

Segundo a Casa Civil, “o Governo Federal continuará, nos próximos dias, a promover reuniões com municípios, estados e empresas para, juntos, reavaliarem a possibilidade do retorno das atividades”.

Augusto Fernandes, do R7, em Brasília