Compartilhar no WhatsApp

Toda semana, quando não diariamente, os veículos de mídia comprometidos com a verdade têm explicitado o descaso do Hospital Universitário de Lagarto (HUL) com a população.

De acordo com a inspeção feita pelo vice-prefeito de Lagarto, o problema começa desde a recepção os pacientes

E absolutamente nada tem sido feito para mudar essa triste realidade.

Continua depois da publicidade

Durante uma entrevista ao programa Radio Verdade da Eldorado FM, o vice prefeito de Lagarto, Fábio Frank, que durante seus dois mandatos de vereador sempre procurou fiscalizar e cobrar melhorias no atendimento de saúde do município, explanou sobre dois quadros bem semelhantes: um que já foi compartilhado por este site, sobre a angustia de uma idosa aguardando por uma cirurgia no Hospital N S da Conceição e a situação humilhante qual é submetido o cidadão(ã) que procura atendimento de urgência no HUL.

De acordo com a inspeção feita pelo vice-prefeito, o problema começa desde a recepção os pacientes.

“Essas pessoas, que pagam seus impostos para ter o mínimo direito a saúde, têm encontrado grande dificuldade para serem atendidas. Há dias ou semanas inteiras que o HUL não dispõe sequer de um clinico geral? E o que é pior, tomamos conhecimento que a reidratação foi reduzida para um terço? Portanto, o hospital não está conseguindo mais comportar toda a demanda. A opinião pública precisa saber porque eles não admitem isso publicamente?”, introduziu Fábio Frank.

Nesta sexta-feira (6) começou a circular mais um vídeo nas redes sociais e em portais de notícias, onde um cidadão revolta-se com a falta de atenção da gestão e dos profissionais médicos e faz um desabafo emocionado na recepção. São centenas de comentários de testemunhos de gente que já passou pela mesma situação na recepção do HUL. Até quando?

“Não vejo o HUL buscando resolver o caos que se instaurou na sua gestão e assim resolver a triste e persistente situação. Fala-se em 60 novos contratados, mas não se especifica se ao menos metade destes são clínicos gerais, que é hoje a maior deficiência da unidade. Não culpo o diretor regional da EBSERH, porque ele recebe a ordem da gestão nacional e infelizmente obedece a uma norma que está fazendo do HUL um exemplo da “pior gestão em termos de saúde pública”, concluiu Fábio.

Em entrevista ao meio radiojornalístico, um dos médicos da unidade, o Dr. Thiago, infectologista, afirmou ao repórter que “A sorte da população lagartense e da região tem sido a Clínica Maroto [UBS mantida pela gestão municipal, localizada ao lado do Ginásio “O Ribeirão”], que, de acordo com o médico, tem desafogado o fluxo diário do HUL.

“A verdade é que essa lamentável situação começou desde que o HUL começou a ser gerido por essa tal de EBSEHR. Quando era na mão do Governo do Estado não deixava a desejar. Eu posso falar, porque vou ao hospital de Lagarto semanalmente pra levar pacientes de diversos problemas e recordo que naquela época o cidadão chegava lá e era prontamente atendido, sem ter “amizade com ninguém” se é que você me entende? Não tinha essa quantidade de gente que a gente percebe nas cadeiras, sofrendo de dor, sem previsão de ser ouvido por um médico. A saúde pede socorro!”, desabafou um cidadão que prefere não se identificar.