Compartilhar no WhatsApp

“Não há relação nenhuma dele comigo. Ele já deve ter aplicado esses golpes em outros lugares. Ele se aproveitou da boa-fé das pessoas, aproveitando que estamos em um ano eleitoral. Espero que a Justiça seja feita e ele pague pelo que ele cometeu”. Essa foi a declaração do ex-deputado Federal, André Moura, durante entrevista exclusiva ao Jornal da Fan, da Rádio Fan FM, nesta terça-feira, 25.

Estelionatário aplicou golpe em mais de 150 pessoas usando nome de André Moura; Ele foi linchado pelas vítimas. Reprodução Fan F1
Estelionatário aplicou golpe em mais de 150 pessoas usando nome de André Moura; Ele foi linchado pelas vítimas. Reprodução Fan F1

O homem citado na entrevista por André é Jackson Santos. Segundo informações, ele está aposentado e já trabalhou como vigia. Jackson é suspeito de aplicar golpe de estelionato em pelo menos 150 pessoas. Ele utilizava o nome de André Moura e captava vítimas interessadas em tirar a carteira de habilitação com a promessa de que o ex-deputado federal facilitaria o processo financiando a complementação das carteiras de habilitações. No golpe, quatro autoescolas foram cooptadas por ele.

Continua depois da publicidade

Para ganhar a confiança das vítimas, Jackson chegou a mostrar fotos ao lado de André Moura. Em conversas por meio de áudio em um aplicativo de mensagens, onde o acusado mantinha grupos com pessoas interessadas em tirar a CNH, o estelionatário utilizava informações sobre o ex-deputado, dando a entender que eles tinham uma relação próxima.

Na noite desta segunda-feira, 24, várias vítimas do golpe, que estavam sem qualquer informação de Jackson desde a última quinta-feira, 20, localizaram o estelionatário na sede do município de Nossa Senhora do Socorro. Ele foi linchado e encaminhado para a Delegacia Plantonista, em Aracaju. Toda repercussão do caso foi acompanhada pela produção do programa Alerta 99.

Em entrevista ao Jornal da Fan, Priscila de Jesus, apontada como intermediária do estelionatário, e que também estava na porta da Plantonista, disse que conheceu o golpista em uma empresa lavando ônibus.  Apesar de outras vítimas a apontarem como cúmplice de Jackson, ela se diz também vítima.

“Ele explicava como era que era para eu pedir a identidade e comprovante de residência da pessoa na minha casa. Quando as pessoas chegavam lá com as “xerox” e o dinheiro eu passava para ele. Eu não agia com ele não. A pessoa só precisava pagar o valor de R$ 250, R$ 350, a R$ 950 e o resto André Moura que iria pagar. Os meus não passavam da biometria”, conta.

Outra vítima contou foi atraída pelo golpista. “Eu trabalho em um restaurante e ele ia almoçar lá. Um amigo meu que fez biometria me convidou também. Fui na autoescola, fiz a biometria, paguei na frente da autoescola, está gravado na câmera. Indiquei 18 pessoas, ele ficou de mandar na quinta-feira o ônibus para pegar o pessoal, e acabou sumindo. Ele dizia que agia no nome de André Moura, mas que não era para estar falando isso com ninguém não”, denuncia o rapaz.

O dono de uma das autoescolas procuradas por Jackson, disse que só percebeu que estava envolvido em um golpe quando iria ser apresentado a André Moura na última sexta-feira, 21, em uma reunião, fato que não ocorreu.

“Percebi que tinha algo errado e fui apurar. Ele disse que nessa reunião eu iria ser apresentado ao André Moura, como isso não ocorreu, comecei a desconfiar. Não recebemos nada, ele disse que após a reunião que ia ter, eu iria receber. Eu só descobrir que ele ficou com o dinheiro das vítimas quando a Priscila chegou lá. Numa crise dessa, uma pessoa cair num golpe desse é lamentável. A autoescola também foi vítima desse golpista”, disse o empresário.

Ainda durante entrevista, André Moura, afirmou que Jackson era conhecido na região, e que inclusive, teria participado de campanhas eleitorais e aplicado outros golpes.

“Fui surpreendido ontem com essa notícia de golpe, e o pior usando meu nome. Tive conhecimento do caso por meio da minha assessora. Jackson morou há alguns anos em Japaratuba, conviveu com uma senhora amiga nossa. Ele veio de Carira. Em algumas ocasiões, ele tirou foto com a gente, com Lara. Na campanha eleitoral de 2016 ele andava com a gente. Após estourar golpes na região, ele saiu de lá de Japaratuba, foi para Capela e Carmópolis, onde tinha praticado golpes e de lá sumiu. No ano passado, fui a um evento de um amigo meu no Bairro América, e lá, ele veio me cumprimentar onde tirou foto com a esposa e comigo. Só tenho a lamentar pelas mais de 150 pessoas que agiram pela boa-fé e foram vítimas do Jackson. Me coloco à disposição do que for necessário para quaisquer esclarecimentos”, disse André.

Após ser encaminhado à Delegacia Plantonista, Jackson foi ouvido e liberado em seguida. O caso será investigado pela Delegacia Especial de Falsificações e Defraudações.

A Polícia Civil alerta para que outras vítimas que tenham caído no golpe de Jackson, que procurem a Delegacia de Defraudações.

Fonte: FanF1